André Douek explora as formas presentes no pão do dia a dia

por Cintia Oliveira 

“O pão!

Em cada tempo, em cada templo, um sabor diferente.

Aqui pra mim, é pão seco, sem recheio, quase areia.

Camadas de ar e massa que me perco todo dia” (Sheila Oliveira) 

  Há 24 anos, o fotojornalista e professor de fotografia André Douek comanda o projeto FotoJornada, no qual organiza saídas fotográficas mensais em diversos pontos de São Paulo. Geralmente, a atividade, que é voltada tanto para profissionais quanto amadores, tem tema livre. Porém, com a pandemia, Douek teve que encontrar alternativas para manter o projeto vivo. E assim surgiu a FotoJornada Fique em Casa.

Diferentemente da rua, que está em eterna transformação, a casa é um cenário estático. Por isso, Douek decidiu propor, a cada mês, um tema diferente. O primeiro deles, em abril do ano passado, foi “Na minha janela”. Inspirado pelo lendário fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson (1908 - 2004), conhecido por explorar a geometria em suas imagens, Douek começou a registrar as paisagens que avistava das janelas do apartamento onde vive desde 1971. Seja no desenho formado pelas nuvens ou no deslocamento das sombras pelo mar de prédios que invadiu a paisagem, a geometria está muito presente nessa série de imagens. 

O fotojornalista também explorou esse aspecto nas edições seguintes do projeto. No tema “Texturas”, realizado em outubro do ano passado, Douek também flertou com a alimentação. Em sequência de imagens, que fazem parte de nossa mostra virtual, ele registrou fatias de um prosaico pão de forma. “Em um primeiro momento, o pão me chamou atenção pelo seu formato quadrado. Ao aproximar a lente, eu me deparei com formas orgânicas muito interessantes, que não podem ser reproduzidas com instrumentos como régua e compasso, por exemplo, e vem da natureza”, conta Douek.

Para a curadora do projeto Com os Olhos no Céu da Boca, Sheila Oliveira, “ao observar com mais cuidado essa sequência de imagens, é possível notar que André Douek divide a fotografia feito pão. A partir de seu olhar despretensioso, simples e apaixonado, nos fala sobre simplicidade em estado bruto. Douek nos faz rever o pão, muitas vezes tão presente em nosso dia a dia”. 

As imagens podem ser vistas em nosso perfil do Instagram e pelo site  http://www.fotojornada.com.br/, onde é possível encontrar imagens de todos os participantes da FotoJornada, além de informações sobre os próximos eventos. 



Estefania Gavina nos leva a refletir sobre a pandemia a partir do ciclo do alimento

por Cintia Oliveira 


Logo que começou a pandemia, em março do ano passado, a artista Estefania Gavina começou a construir uma espécie de diário visual. Utilizando a mão esquerda e a câmera do celular, a artista começou a fazer uma série de registros, com o objetivo de retratar o ciclo que envolve o que cozinhamos, o que nos alimenta e o que disso tudo retorna para a terra. 

Com o tempo, Estefania se aprofundou no tema dos alimentos e medicinas não-convencionais, que a flora nos brinda. “As perguntas sem resposta em um mundo suspenso, levou meu olhar para o tempo de vida da natureza. Imaginando gestos, barreira para voltar a simplicidade, e a essência do ser, ou das coisas”, explica Estefania Gavina. 

A partir da poética de Estefania, que reflete o tempo todo sobre a quarentena imposta pela covid-19, é possível traçar a cadeia produtiva do alimento. Tudo começa pelas minúsculas  sementes de maçã e as de abóbora cabotiá, que ainda carregam vestígios do legume. Depois segue para as mudas de onde - um dia - poderá brotar o maracujá, por exemplo. Os registros de Estefania também passam pela jaca, fruto capaz de alimentar uma família inteira e, por fim (ou seria o recomeço?), pelas laranjas das quais sobraram apenas as cascas. Outra imagem marcante são as mãos no entorno da mão esquerda de Estefania, que evocam os signos de ligação - tão em falta ultimamente. 

Acesse AQUI o nosso perfil do Instagram para ver uma parte da série Gestos Barreira (2020), mas para vê-la completa basta acessar AQUI o perfil de Estefania no Instagram.




1
Using Format